Pesquisar este blog

domingo, 21 de março de 2010

Medos antepassados

Egoísmo entregue, dedicada proteção
um deus, alguém, dois olhos tristes
Se um peito aberto e nada o mesmo foi
demasiado baixo aos pedestais que insistem

E o poeta não quer ser pequeno
quer ser usado, sem pensar na dor
E seus abraços hoje tão calados
Inda carecem espargir amor

Ah, medos antepassados, passados que presenteiam
nossos dias apaixonados
de maldade a derrubar esteios

Se do que foi ficam lições e medos
sou desalmado
aluno sem receios


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião me interessa. Comente!