Pesquisar este blog

sábado, 13 de maio de 2017

Não te amo

No criado mudo estava este livro, que resolvi folhear quando acordei. Lendo as poesias de Neruda fica clara a grandeza do cara, que foi reconhecido por meio do Nobel de Literatura, em 1971. 

Essa que vou postar escolhi por alguns motivos, entre eles o fato de que em algum momento eu sublinhei as duas últimas estrofes e, agora, lendo novamente, as palavras - ainda que não exatamente as mesmas ou no mesmo contexto - me tocaram mais uma vez: 

NÃO TE AMO como se fosses rosa de sal, topázio
ou flecha de cravos que propagam o fogo:
te amo como se amam certas coisas obscuras,
secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e leva
dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
e graças a teu amor vive escuro em meu corpo
o apertado aroma que ascendeu da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
te amo diretamente sem problemas nem orgulho:
assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

senão assim deste modo em que não sou nem és
tão perto que tua mão sobre meu peito é minha
tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.

Cem Sonetos de Amor, Pablo Neruda


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião me interessa. Comente!